MUSICBOX

Bilhetes

When all witnesses are gone de Sofia Dinger

Musicbox, Lisboa.

When all the witnesses are gone é uma performance de Sofia Dinger realizada com uma pessoa apenas por sessão. A atividade seguirá as regras e orientação da DGS para a realização de espetáculos de performance. 
Tipo de bilhetes Preço (valor facial)? Quantidade
SESSÃO 1 (INÍCIO ÀS 17:00) €10,70 (€10,00)
Esta sessão tem início às 17:00. A entrada no espetáculo deve ser feita entre 15 a 10 minutos antes. 
SESSÃO 2 (INÍCIO ÀS 18:45) €10,70 (€10,00) bilhetes indisponíveis
Esta sessão tem início às 18:45. A entrada no espetáculo deve ser feita entre 15 a 10 minutos antes. 
SESSÃO 3 (INÍCIO ÀS 20:30) €10,70 (€10,00) bilhetes indisponíveis
Esta sessão tem início às 20:30. A entrada no espetáculo deve ser feita entre 15 a 10 minutos antes. 

Mais informações sobre When all witnesses are gone de Sofia Dinger

sugar party 
i'm not sorry for 
a perfect bite 


Apareceu-me em Inglês, não sei porquê. 
então colei-o na porta branca do frigorífico
para não esquecer 


When all witnesses are gone é um dueto 
um convite para uma festa de amanhãs 
que voltam a dois 
a uma discoteca vazia no centro da cidade


Eu levo a luz,
as minhas máquinas de fumo.
Vem, que hoje a lua está a crescer.


As testemunhas ausentaram-se, mas os fantasmas não são surdos.
Traduzem-se versos.
Acendem-se cigarros. 
A música aparece. 



Projecto Peep Show  
Conceito e performance: Sofia Dinger 
Apoio à criação: Inês Vaz e Gonçalo Alegria 
Som: Gonçalo Alegria 
Desenho de Luz: Sebastião Pinto 
Parceiro: Musicbox 
Produção: Self-Mistake
Apoios: República Portuguesa / Cultura – Direção-Geral das Artes e Câmara Municipal de Lisboa – Cultura 

Peep Show é um projecto de apresentação de criações de dança e performance que procura estabelecer uma relação de intimidade entre artistas e público.  


Sofia Dinger
Sofia Dinger terminou o mestrado em teatro na Das Arts, em Amesterdão, como Bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian. Desde sempre, tem investido continuamente em formação adicional com pessoas de variadíssimas áreas... Sofia criou e interpretou" Uma Canção para ouvir-te chegar" (Maria Matos Teatro Municipal, Festival Alkantara 2018 e Spielart Munich 2019), "A história de um amor" (projecto Traça/Alkantara, 2017), "Grande Ilusão" (Temps d’Images, 2014 e Plataforma das Artes Performativas 2015)," Nothing’s ever yours to keep" (Maria Matos Teatro Municipal e digressão pela rede 5 sentidos, 2011) e Noites Brancas (parceria com Paula Diogo e Mónica Calle para o Festival de Almada, 2013, convite de Mark Deputter). Criou, também, dois pequenos trabalhos audiovisuais: um para o Lu.Ca a propósito da ideia de Apanhar o sol (convite de Teresa Coutinho) e outro a partir dos arquivos de filmes de família da videoteca de Lisboa, segunda colaboração com a Traça. Enquanto intérprete trabalhou com Mónica Calle, Blitz Theatre Group, Sara Carinhas, Rui Catalão, Teatro do Vestido, Tiago Vieira, David Pereira Bastos, Gonçalo Amorim, Ana Borralho e João Galante. Em cinema, cruzou-se com realizadores como Leonardo Mouramateus, André Lage, Paulo Menezes, Hugo Vieira da Silva e Pedro Filipe Marques. Recebeu o Prémio Bernardo Santareno, na categoria de atriz revelação (2011) e uma menção honrosa pela performance na curta-metragem Lullaby (André Lage), na 16ª edição do Festival de Cinema Luso Brasileiro de Santa Maria da Feira. O espectáculo "A grande ilusão" foi destacado como um dos melhores do ano de 2014 pelo crítico João Carneiro no Jornal Expresso. Em 2013, integrou o laboratório Try Angle em Montemor-o-Novo (a convite de Tiago Rodrigues) e em 2015, ingressou no 1Space project (a convite de Thomas Walgrave) entre Portugal, Congo, Palestina e África do Sul onde conheceu Faustin Linyekula, Jozef Wouters, Tony Chakar, Hildegarde de Vuyst, Rimah Jabr...


Uma versão do seu último solo foi apresentada no festival Under Construction, em Ghent.
Interessam-lhe os fantasmas. Mas são tantas as pessoas. Anda às voltas pelo mundo.